Tag Archives forpresença digital

Por que ter uma presença digital?

É momento de compreender que a necessidade de ter uma presença digital ou uma reputação digital não é apenas um modismo de nerds. Qualquer pessoa pode e deve construir uma presença digital independente de sua profissão ou de sua situação empregatícia. Advogados, médicos, psicólogos, nutricionistas, professores, escritores, arquitetos, fisioterapeutas todos aqueles que constroem uma carreira profissional devem pensar numa valorização e divulgação de seu nome, e o melhor caminho para essa conquista é sem dúvida alguma a Web. Leia mais

Informação: motor de desenvolvimento

O artigo apresenta um panorama de como a informação foi importante para a evolução do mundo desde a Revolução Agrícola ate os dias de hoje. Desde o advento e popularização da Internet que o termo Informação tem sido muito citado. Afinal o que é informação?

Desde o advento e popularização da Internet que o termo Informação tem sido muito citado. Afinal o que é informação? Para uns elemento que gera conhecimento, para outros matéria-prima para o desenvolvimento de negócios.
Independente de definições podemos dizer que informação existe desde o tempo das cavernas. Os desenhos em cavernas eram a informação – e para a época ferramenta moderna. A informação faz parte da história da humanidade e é o motor de desenvolvimento.
Apenas percebíamos o valor nas coisas materiais. Mas, se lermos nas entrelinhas foi a informação que revolucionou o mundo. Podemos fazer uma linha do tempo e demonstrar a importância da informação para o mundo.
Revolução Agrícola tem seu marco cerca de 6.000 A.C quando agricultores que haviam sido pioneiros na vida sedentária e no cultivo de cereais, criam ampla variedade de animais domésticos, ovelhas, cabras e gado. Não era uma época fácil, era preciso matar um leão por dia. Perceba que a informação era transmitida de forma lenta, mas os homens sabiam como a encontrá-la de forma intuitiva.
No período da Idade Média cuja agricultura era principal atividade, a informação já adquiri umaimportância maior com o conhecimento da irrigação, e o esquema de plantações alternadas e com a substituição de bois por cavalos (economia de homens) gerando excedentes agrículas e as bases para o comércio a distância. E mesmos nas atividades secundárias como pecuária, mineração, produção artesanal e comércio há demonstrações de conhecimento tácito, transmissão da informação e por consequência o surgimento de inventos como o botão e a camisa. O garfo e a faca passam a fazer parte da mesa, principalmente depois da peste negra. Enfim, na Idade Média ocorreram avanços técnicos.
A partir do século XVI até o século XVIII, surge mudanças extraordinárias que estabelecem uma nova percepção de mundo e que ainda se mantém até os dias de hoje. Encurtar distâncias, desvendar a natureza, buscar por novas terras, se aventurar nos mares são algumas das realizações que definem esse período histórico. Isso sem contar que ser amigo do Rei, era valorizado, por ter acesso a informações reais. De fato, as percepções do tempo e do espaço, antes tão extensas e progressivas, ganharam uma sensação mais intensa e volátil.
Em seguida temos o período da Produção de Massa. A primeira revolução industrial nos últimos 30 anos do Século XVIII caracterizou por novas tecnologias como máquina a vapor, fiadeira, o processo Cort em metalurgia e, de forma geral, a substituição de ferramentas manuais por máquinas.
A segunda Revolução Industrial (1850, século XIX) ocorre com outras invenções mais avançadas: o desenvolvimento da eletricidade, do motor de combustão interna, produtos químicos com base científica, novas tecnologias como o aço, a difusão do telégrafo e a invenção do telefone. Esses foram momentos fundamentais para o homem e ainda somos beneficiadas por esses avanços. Uma nova relação entre capital e trabalho se desenvolve, a cultura de massa cresce e novas relações entre as nações surgem criando os fundamentos para uma nova sociedade.
Alguns episódios ocorridos na primeira metade do século XX foram alicerces para a formação da Sociedade da Informação. Podemos citar a 1ª Guerra Mundial, os Loucos anos 20, a quebra da Bolsa de Valores de Nova Iorque em 1929, o crescimento do fascismo e do nazismo na Europa e por fim a explosão da 2ª Guerra Mundial onde temos o marco inicial da Sociedade da Informação.
Sociedade da Informação nasce com o acúmulo de conhecimentos científicos proporcionado pela 2ª Grande Guerra e se sustenta-se com revolução tecnológica dos computadores. A Era da Informação propiciou uma outra lógica econômica. O Tempo e o Espaço tomaram outra dimensão. As novas tecnologias subverteram os conceitos tradicionais: reduziram drasticamente o tempo de execução e tornaram o espaço um item quase “neutro” na atividade econômica.
E chegamos aos dias atuais em que convivemos com uma nova lógica tanto econômica quanto social cujo conhecimento por tecnologias da informação e comunicação se faz essencial. Não nos preocupamos mais em comprar perto de casa e sim comprar onde o serviço/produto melhor atende nossas necessidades. Aprendemos que a informação não é mais produto único. As novas tecnologias de comunicação possibilitou o acesso a diversas fontes de notícias assim como a socialização da informação. Somos produtores de conteúdo, repercutimos a informação que desejamos, temos voz para discordar e somos capazes de nos fazer ouvir. Fazemos valer nossas habilidades, competências e nossas atitudes.
Essa transformação em Sociedade da Informação ou Sociedade do Conhecimento não foi apenas uma questão de tecnologia. Afetou profundamente a sociedade ao modificar o comportamento do consumidor e por consequência das instituições causando forte impacto desde a Revolução Industrial.

Presença Digital não é opção, é realidade

Entenda a importância de ter Presença Digital a partir do volume de informações que circulam na internet. E como os avanços tecnológicos formataram uma nova sociedade que não nos permite decidir ter uma presença digital.

O acesso facilitado às ferramentas de produção de conteúdo levou para a web todo um pontecial criativo, seja com textos, imagens, áudios ou desenhos. A necessidade e desejo de exprimir nossas experiências ou criatividade sempre existiu, agora podemos compartilhar com mais pessoas e obter muito maior alcance.

O volume de dados que circulam na web é quase inimaginável e os assuntos são diversos. Apresento abaixo alguns desses dados e argumento para uma nova realidade, a Presença Digital. Para iniciar veja este infográfico produzido pela Good.is em parceria com a IBM em que apresenta a quantidade de dados criados e que circulam na web:
  • São enviados quase 3 milhões de emails por segundo
  • Subimos 20 horas de vídeos no YouTube por minuto
  • Google processa todos os dias 24 petabytes (1 petabyte equivale a 1000 terabytes) de informação
  • 50 milhões de tweets são escritos por dia
  • Amazon: são solicitados quase 73 produtos por segundo
Esses são dados assustadores porém não são únicos. Na segunda semana de novembro o Youtube divulgou novo recorde, já deixando os dados acimas ultrapassados, agora são 35 horas de vídeo por minuto. Outra informação interessante foi publicada pela Exame.com, no dia 26 de outubro de 2010: 6,4% de o todo o tráfego gerado na Internet passa pelos servidores do Google. O tráfego da internet tem aumentado em média 40% a 45% a cada ano. Estes são dados da empresa de segurança Arbor Networks.
O cenário brasileiro também é muito bom para quem pensa a internet como negócios, e uma realidade. Em pesquisa divulgada em Agosto de 2010 pelo instituto de pesquisa Ibope Nielsen Online o Brasil tem 67,5 milhões de pessoas conectadas. O surpreendente é o crescimento de 1,7% em relação ao terceiro trimestre e de 8,2% sobre o primeiro trimestre de 2009. A pesquisa ainda apresenta que a categoria com maior audiência são os Buscadores, Portais e Comunidades. São 34,7 milhões de usuários únicos em fevereiro, equivalente a um alcance de 94,5% dos 36,7 milhões de usuários ativos do mês.
Vivemos atrelados ao mundo online, praticamente tudo hoje é reduzido a bits e enviados através de cabos em velocidade semelhante da luz. Esta conquista se deve pela evolução causada pelos microprocessadores que seu barateamento proporcionou amplo acesso às Tecnologias de Informação e Comunicação, tendo na internet seu maior sucesso.
Outro fator é o início da popularização dos telefones com acesso a web  uma vertente desta evolução na comunicação. O Brasil já possui 12 milhões de smarphones, dados divulgados pela Anatel em 22 de outubro de 2010. Esses dados demonstram que o mundo virtual não só é uma realidade como também estamos dependentes e vinculados tanto econômica quanto socialmente a essas tecnologias. Dá para imaginar o mundo sem celular e acesso a web?
O mundo vem se transformando e se adaptando há séculos, percebemos isso ao lembrarmos das quatro telas que mudaram o mundo: cinema, televisão, computador e celular. A tela do cinema que nos apresentou a sensação de compartilharmos experiências em público, a tela da televisão, tivemos o mundo dentro de casa. A tela do computador nos ligou ao mundo de forma rápida e passamos de meros telespectadores a ativos participantes. E agora a tela do celular nos permite interagir, participar, atuar, não somente em casa, não há limites. Como bem lembra Martha Gabriel no livro SEM e SEO.
A velocidade como adquirimos novas tecnologias e o acesso ao conhecimento é impressionante. Sabemos que o rádio levou 38 anos para se popularizar no entanto o i-pods apenas 3 anos. A rapidez como absorvemos essas novidades é explicada por uma mudança considerável no comportamento da sociedade em função da aceleração do tempo, o encurtamento do espaço e a explosão no volume de informações disponíveis. E junto a isso tudo o desejo natural das pessoas de estar em comunidade. Essa questão no Brasil é ainda mais forte, devido a cultura do brasileiro de ser naturalmente sociável. A nova sociedade apresenta novos consumidores que se relacionam em redes virtuais se fortalecem aplicando novos conceitos e exigindo das empresas novas comunicações e comportamentos.
É neste novo mundo que as corporações tentam entender e compreender por que a Presença Digital não é mais uma opção e sim uma realidade, o que difere é a qualidade desta presença. Estamos todos, pessoas físicas e/ou pessoas jurídicas, inseridos nessa nova era em que o ferramental principal são bits e nichos.
Alguns acontecimentos explicam essa realidade como o caso da Pizzaria Domino’s nos Estados Unidos. Esta não possuía nenhum atuação na web e foi fortemente afetada quando dois funcionários publicaram um vídeo no Youtube denegrindo a imagem da pizzaria. A reação ao caso foi tão forte que a Domino’s teve que rever toda sua atuação e comunicação com seus cliente.
Hoje a Domino’s tem atuação regular não somente com site mais em todas as redes sociais, inclusive disponibilizando aos clientes a possibilidade de ver por vídeo a produção da pizza desde o pedido até a entrega em casa.
Como a Domino’s percebeu não é a empresa que decide ter ou não uma Presença Digital, mas seus consumidores decidem isso, e esta pode ser por uma divulgação positiva ou negativa, dependendo como a empresa lida com com o desenvolvimento de produtos, a prestação de serviços e o atendimento ao cliente.

Navegar é preciso… A tecnologia cada dia mais próxima de todos

O poeta português Fernando Pessoa, eternizou a frase dos antigos homens do mar. Um tempo em que as grande navegações eram maiores que a própria existência. Navegar é preciso, viver não é preciso. Escreveu este poema “Navegar é preciso” na época das grandes navegações em que o Império Português e Espanhol conquistavam o mundo. Era um desafio, pois muitos não voltavam dessas viagens, por motivos de doenças, segurança e guerras.

O que tem haver com Internet? Respeitando as diferenças históricas e físicas, a web ainda é um desafio a ser conquistado. Com certeza já navegamos em muitas águas, porém ainda há muito conhecimento para ser disponibilizado, ainda há muita informação para ser processada. Somos todos aventureiros nessa travessia. A única certeza é que a viagem nos levará a uma nova onda de possibilidades de captar conhecimento.
Não sei se por ironia ou destino mais de quinhentos anos após as grandes navegações e suas descobertas, entre elas, o novo mundo, navegar ainda é palavra de ordem. Estudos mostram que o número de usuários com acesso a internet cresce rapidamente e já somos um dos países com maior acesso e tempo de permanência web no mundo.
Questões como a digitalização do livro pelo Google são discutidas em todo o mundo. Vivemos um tempo que representa uma grande mudança na maneira de pensar, mexeu e mexe com nossos valores e atitudes e condutas. Somos mais rápidos, ágeis, corrigimos ortografia em buscadores, baixamos músicas, filmes, livros, artigos e tantas outras coisas.
Para os mais jovens é inimaginável a vida sem computador e sem acesso a rede mundial. Espero que como o poeta não permitam que a tecnologia os façam refém, afinal a automatização e pseudos facilidades não podem tomar o espaços da criatividade, e da humanização que faz parte de nossa essência.
E como esse mundo ainda é muito novo deve se ter cuidado com os que se auto-proclamam especialistas; O que há são profissionais interessados e com muito estudo e que acompanham de perto o comportamento da sociedade em relação a este novo meio de comunicação.
As pessoas sempre viveram em redes sociais, e os meios de comunicação e as empresas se adaptam a essa nova realidade.
—————————————–
Leia o poema
Navegar é Preciso
Navegadores antigos tinham uma frase gloriosa:
“Navegar é preciso; viver não é preciso”.
Quero para mim o espírito [d]esta frase,
transformada a forma para a casar como eu sou:
Viver não é necessário; o que é necessário é criar.
Não conto gozar a minha vida; nem em gozá-la penso.
Só quero torná-la grande,
ainda que para isso tenha de ser o meu corpo
e a (minha alma) a lenha desse fogo.
Só quero torná-la de toda a humanidade;
ainda que para isso tenha de a perder como minha.
Cada vez mais assim penso.
Cada vez mais ponho da essência anímica do meu sangue
o propósito impessoal de engrandecer a pátria e contribuir
para a evolução da humanidade.
É a forma que em mim tomou o misticismo da nossa Raça.
———-
Nota de Soarez Feitosa: “Navigare necesse; vivere non est necesse” – latin, frase de Pompeyo, general romano, 106-48 A.C., dicha a los marineros, amedrentados, que recusaban viajar durante la guerra, cf. Plutarco, en Vida de Pompeyo.

Sociedade e Wikipedia

ste artigo apresenta como a evolução da sociedade contribui para um dos maiores sucessos na internet, a Wikipedia, enciclopédia livre. Um exemplo como a colaboração na web pode acontecer a partir de plataformas 2.0.

Vivemos uma época de transformação. A sociedade migra para era do conhecimento. Saímos da onda da indústria, passamos pela onda da informação, estamos quase na crista da onda do conhecimento e para onde está onda nos levará? Estas evoluções não são precisas e nem demarcadas e previamente sabidas, apenas percebemos que o mundo evolui de ondas estruturadas em agentes de força (era da agricultura e industrial) em que as condições físicas das pessoas determinavam sua participação no mercado. A evolução trouxe as ondas do cérebro, estruturados em agentes que pensam, criticam, analisam, produzem e compartilham. E produzem uma nova sociedade, que transforma informação em conhecimento. O conhecimento é mistura de experiências, valores e informações, tudo isto, dentro de um contexto. Com isto é possível analisar novas situações e informações e observar a si mesmo e assim se aprimorar, redirecionar em novas situações.

A sociedade do conhecimento junto com as novas tecnologias, em especial a Internet, favorece a interligação de empresas, países, culturas e principalmente pessoas. A Internet não é mais uma rede mundial de computadores, mas sim uma rede mundial de pessoas. Essa percepção transforma a realidade, criando expectativas diferentes e possibilidades infinitas de produção de conteúdo e compartilhamento de informação. Criando e estabelecendo redes sociais de trocas de informação. As redes sociais podem disseminar informação, produzir conhecimento e transformar pessoas que antes tinham determinado saber e descobrem novas possibilidades.
Redes sociais nada mais são que uma organização social feita por pessoas e para pessoas. Toda tecnologia envolvida são ferramentas que viabilizam nossa interação, independente de distância. Rede social, virtual ou real, é a nossa forma de compartilhar conhecimento, músicas, livros, emoções. A evolução está nas pessoas e não nas máquinas, não dependemos de tecnologia para sermos produtores de conhecimento.
Não podemos esquecer que tecnologias, computadores e mídias sociais são meras ferramentas, e devem ser usadas como tal. São as pessoas que as valorizam com sua credibilidade, inteligência participativa e vontade de ouvir. A rede acontece muito em torno da relevância. A relevância agrega. E aqui novamente voltamos às pessoas. O sucesso de qualquer rede ou ferramenta vai depender da qualidade do entrelace das pessoas envolvidas. Para tanto a comunicação é fundamental independente das ferramentas.
Neste contexto, há a Wikipedia, a enciclopédia livre que cada um pode editar, assim definida por ela mesma.
O desejo de ter o conhecimento organizado e de fácil acesso vem desde à Antiguidadea. Mesmo antes da invenção da escrita a preocupação em preservar dados e informações já existia através da oralidade com os guadiões de arquivos que eram chamados de recordadores. Já com o advento da escrita o exemplo mais famoso sem dúvida foi a Biblioteca de Alexandriacriada no século III a.c. e destruída por um incéndio acidental por Júlio César, durante o Império Romano.
Uma das tentativas de se criar uma enciclopédia na internet foi com o projeto de Jimmy WalesLarry Sanger com a Nupedia fundada em março de 2000. Mas com o grande volume de informações a serem analisados por profissionais ficou inviável sua atualização.
A ideia de uma enciclopédia na internet decolou com a utilização do software Wiki, que permite a colaboração de pessoas fora do projeto. Então, em 15 de Janeiro de 2001 foi lançada a Wikipedia e até hoje já foram editados 14 milhões de artigos em centenas de línguas e dialetos (622 190 artigos na versão em português). A Wikipedia se mantém por doações dos voluntários e tem apenas 35 funcionários que não se envolvem com a produção de textos. Segundo aConsultoria Alexa.com a Wikipedia é o sexto site mais visitado no mundo.
Como todo sucesso a Wikipedia também sofre com as críticas. A enciclopédia digital, MSN Encarta (já encerrada) pertecente a Microsoft criticou a Wikipedia por esta ter seu verbetes editados por qualquer pessoas e sendo vulnerável a informações corretas. Assim como aEnciclopédia Britânica, uma das maiores e mais respeitadas do mundo também não reconhece o valor da Wikipedia por não ter profissionais especialistas em cada verbete para legitimar as informações.
Jornal Científico Nature fez um estudo comparativo entre a Enciclopédia Britânica e a Wikipedia e o divulgou em 14 de dezembro de 2005. Apesar das críticas e o não-reconhecimento por parte da Britânica deste estudo, por não considerar alguns itens como erros – foram avaliados erros factuais, omissões de crítica e declarações mal interpretadas – foi apresentado os seguintes dados: A Britânica apresentou em 42 artigos avaliados 123 erros em média a cada 2.92 artigos. E a Wikipedia com os mesmos 42 artigos avaliados obtve 162 erros em média a cada 3.86 artigos.
Os dados apresentados apesar de considerados imprecisos pela Enciclopédia Britânica, demonstra que a Wikipedia tem precisão comparável com as grandes enciclopédias atuais. Sendo a Wikipedia o maior exemplo de um projeto de colaboração a partir de plataformas que utilizam o conceito de web 2.0 e transformou-se na maior enciclopédia de acúmulo de conhecimento do mundo. É a maior reunião de conhecimento livre.
WhatsApp
>