O brasileiro e as redes sociais

As mídias sociais estão revolucionando os conceitos de comunicação, marketing e publicidade das corporações. O acesso a internet transformou o comportamento do consumidor e por consequência as empresas precisam se modernizar, ou ficam para trás.

Em Agosto de 2010 o instituto de pesquisa Ibope Nielsen Online divulgou que o Brasil tem 67,5 milhões de pessoas conectadasVeja a pesquisa completa aqui.
Agora nova pesquisa apresenta o fenômeno das redes sociais no Brasil. Veja o que constatou a pesquisa realizada pelo IBOPE Mídia no período de 02 a 15 de Setembro de 2010. O IBOPE entrevistou mais de 8500 pessoas que representam 25 milhões de usuários de redes sociais e desmitifica algumas lendas da internet. Apresenta dados interessantes que justifica a necessidade de entendimento desta ferramenta de convivência e comunicação por parte das empresas.
Uma das lendas é que o acesso as redes sociais seria basicamente de classes AB, e a pesquisa mostra percentuais iguais para classe AB (45%) e para a classe C (45%) e a classe D tem 10% de presença.
Outro ponto importante é a manutenção do sucesso do Orkut no Brasil, além de ter sido a primeira rede social descoberta pelos brasileiros, o Orkut mantém alto índice de participação com 91%. Seguido pelo Facebook (14%) e Twitter (13%). Para 82% daqueles que acessam a rede, o Orkut foi a primeira experiência em redes sociais.
Facebook e Twitter disputam 2ª posição

Orkut: 91%

Facebook: 14%
Twitter: 13%
Myspace: 2%
Sonico: 1%
O brasileiro seguindo tendência mundial já começa a desejar fortemente o telefone celular com acesso à internet para manter-se conectado às redes mais facilmente. A classe AB passou de 29% em 2004 para 39% em 2010. A classe C de 14% para 21% e a classe DE de 6% para 12%. Em todo o país esse percentual de aumento foi de 20%.
Os usuários de redes sociais têm um comportamento tecnológico claro e tendem a aumentar a participação. Nos primeiros momentos nas redes sociais costumam ter uma presença passiva, conforme dominam a tecnologia e se integram ao ambiente digital essa participação cresce, viram produtores de conteúdo e influenciadores. Veja o resultado da pesquisa:
  • 96% assistem | leem | ouvem
  • 83% compartilham
  • 44% avaliam | comentam |participam
  • 33% publicam | mantêm | criam
  • 10% editam| moderam | influenciam
O acesso as redes sociais por estado:
BH: 61% | RJ: 74% | SP: 64% | SAL: 77% | FLO: 82% | FOR: 70% | REC: 70% | DFE: 60%
Este fenômeno das redes sociais no Brasil é explicado por um novo comportamento da sociedade, e principalmente pela nova geração, seja lá como a chamam se de Y, C ou Millenium. Este novo ator posiciona-se como um consumidor participante que valoriza a interação e a opinião de amigos e familiares em detrimento as vozes oficiais de informação.
Os usuários de redes sociais dão credibilidade as informações que circulam em sua rede: “as redes fornecem toda informação necessária para minha atualização.” 60% concordam com esta frase, enquanto que 45% dizem que ” as redes sociais substituem as informações dos portais de notícias”. Não é para menos, afinal cada participante tem em média 273 amigos.
Mas, nem todo mundo estás nas redes e há potencial de crescimento. Segundo a pesquisa do total de entrevistados que não acessam as redes sociais 34% desejam fazer algum dia. A classe AB tem 25% de não usuários, a classe C 42% e a classe 56%.
O IBOPE Mídia encerra com uma boa notícia: A maioria dos consumidores aprova ações nas redes sociais!
  • 70% as empresas usarem as redes para divulgarem produtos e serviços
  • 60% as empresas usarem as redes para analisarem o comportamento dos consumidores
  • 70% as empresas usarem as redes para se comunicarem com seus consumidores
Em outubro de 2010 a Nokia divulgou este vídeo com pesquisa sobre como o brasileiro lida com a tecnologia:
E você o que está fazendo para interagir com este novo consumidor que está presente nas redes sociais e aberto a uma boa conversa.
WhatsApp
>