Eu participei do Seminário Planjenando o Savassi Festival

Moro há cerca de 6 meses em BH e ainda estou me ambientando na cidade, buscando conhecer novas pessoas e fazer contato. Pela newsletter do Café com Letras, um bar, livraria, casa de sohws de jazz muito legal, fiquei sabendo do  Seminário Planejando o Savassi Festival. Não sabia o que ia encontrar, se estaria apta a acompanhar a discussão, mas mesmo assim me escrevi. Já trabalhei há muitos anos com produção teatral, vídeo-clips, comerciais de tv. Seria bom para uma atualização e conhecer o mercado mineiro.

Passados alguns dias recebi o comunicado que havia sido selecionada, que mudaram o local do evento em função da grande procura e que disponibilizariam acesso a uma plataforma de gestão de eventos com interface web. Chegou o dia! Lá fui eu conhecer mais um bairro de BH, o Cidade Jardim, e dessa vez foi fácil chegar, claro com a ajuda do Google Maps.

O Seminário foi apresentado pelo Bruno Golgher, gestor do Festival e proprietário do Café com Letras. O Bruno teve um jeito muito bacana de apresentar todo o processo. Além de nos mostrar de fato como é elaborado um Plano de Produção Cultural, nos falou também das dificuldades, da necessidade de sempre inovar, de como o começo foi simples, pequeno, com pouco dinheiro, com o único objetivo de promover o jazz e o Café com Letras.

Hoje o “Festival da Savassi, Jazz e Lounge” se não é, está entre os maiores festival de jazz do Brasil ou da América Latina. Foi relevante acompanhar a evolução do projeto, de como a percepção dele em começar a pensar no futuro do festival fez a diferença na elaboração do projeto. E Bruno foi muito simpático em compartilhar com todos o acesso ao sistema web de gestão basecamphq.com/ e ainda nos mostrar o caminho para conseguir um alvará, como realiza o pós-venda do festival e muito mais.

O único item que senti falta foi de uma apresentação dos participantes. Claro, houve conversas no coffe break, mas como a maioria não se conhecia fiquei sem saber qual era atividade, ramo de atuação e interesses dos colegas no seminário. Mas, ainda sim, consegui fazer contatos.

No fim do Seminário o Bruno esclareceu as dúvidas dos participantes quanto a elaboração de um Plano de Projeto de Voluntariado. Enviei o meu, e mais 6 colegas também o fizeram. O meu projeto é a respeito de torna o voluntariado um rodie.   É o profissional que trabalha como assistente de palco para os grupos de música. A minha intenção foi aproximar novos músicos com o profissionais da música no momento que estão realizando seu ofício. A preparação do projeto não foi nada fácil para mim, diversas vezes refiz o texto, mudei dados, alterei o plano. Eu tive a contribuição do meu irmão, Paulo Érico Canarim, que é pedagogo para dar um embasamento pedagógico ao projeto. Porém, arrisquei e não segui todas as suas orientações, peguei “leve” no projeto pedagógico. Mas, mesmo assim ainda havia algum retorno de aprendizado aos voluntários. Depois de enviado era só esperar o retorno do Bruno quanto a escolha do plano. Ainda estou esperando, assim que sair o resultado, divulgo aqui o trabalho escolhido.
(Nenhum trabalho foi escolhido, Bruno argumentou que as propostas ficaram fora do objetivo do projeto)

Fiquei satisfeita de me permitir a elaborar um projeto numa atividade que não tenho experiência prática, para um evento que até então nunca tinha ouvido falar, (sou do Rio, lembra?) de pensar em possíveis riscos, de cobrir diversas áreas como comunicação, jurídico, financeiro.

Ah! com certeza vou conhecer o  “Festival da Savassi, Jazz e Lounge”. Você pode acompanhar as notícias pelo twitter e pelo site.

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

WhatsApp